Padre Luís Scrosoppi

Luís Scrosoppi, nascido a 04 de agosto de 1804, em Udine cidade de Friuli no norte da Itália. Ele cresceu em uma família rica de fé e caridade cristã. Aos doze anos, começou a se preparar para o sacerdócio no seminário diocesano Udine e foi ordenado sacerdote em 1827. Ao seu lado estavam os seus dois irmãos, Carlos e João Batista ambos sacerdotes.

O ambiente pobre de Friuli do ano 800, devastado pela fome, guerra e pestes, foram para Luís um convite para cuidar dos fracos. Juntamente com outros sacerdotes e um grupo de jovens professoras, se dedicam a acolhida das as meninas abandonadas de Udine e arredores. Para elas, colocam a disposição os seus bens, suas energias e sua afeições. Ele não poupou a si mesmo e, quando a necessidade foi maior tornou-se um pedinte, ele tem confiança na ajuda das pessoas, e sobretudo confia no Senhor. Sua vida é de fato uma demonstração palpável de grande confiança na Divina Providência.

Assim, escreve sobre as obras de caridade em que está envolvido: "A providência de Deus que prepara mentes e corações para ajudar, é a única fonte deste Instituto... amorosa Providência que nunca abandona aqueles que nela confiam". Não deixa passar as oportunidades para infundir esta confiança e serenidade nas meninas acolhidas, nas jovens e senhoras que se dedica ao processo de crescimento das mesmas, numa sólida educação.

Elas são chamadas de "professoras", porque são hábeis em costura e bordado, mas também são capazes de ensinar "leitura, escrita e aritmética", como se acostumava dizer. São mulheres de diferentes origens e idades, e em cada uma delas se colhia amadurecimento a decisão de colocar as suas vidas nas mãos do Senhor, para santificá-lo e servi-lo na família das "abandonadas".

Na noite de 1º de fevereiro de 1837, as nove mulheres como um sinal da decisão final, colocam o seu "ouro" e escolhem viver na pobreza e doação total de si mesmas. É desta simplicidade que nasce a Congregação das Irmãs da Providência, a família religiosa fundada pelo padre Luís. Juntamente com as primeiras mestras se uniram outras pessoas como; os ricos e os pobres, os instruídos e os analfabetos, os nobres e os de origem humilde pois, na casa da Providência há espaço para todos e todos se tornam irmãos.                    
O fundador incentiva- os ao sacrifício e ao cuidado amoroso para com as meninas, queria que fossem consideradas como a “pupila dos olhos” deles.

Neste tempo Luís estava refletindo sobre a necessidade de uma consagração mais total ao Senhor. Ele é fascinado pelo ideal de pobreza e de fraternidade universal de Francisco de Assis, mas os acontecimentos da vida e da história levaram-no nas pegadas de São Filipe Neri, o cantor da alegria e da liberdade, o santo da oração, da humildade e da caridade.

A Vocação "oratória" de Luís em 1846, e a idade madura de 42 anos, tornou-se um filho de São Filipe Neri. Ele aprende a mansidão e a doçura que vai ajudá-lo na tarefa de fundador e pai da Congregação das Irmãs da Providência, profundamente atento e respeitoso ao crescimento humano das irmãs e ao seu caminho de santidade, não poupa ajuda, nem conselhos e nem exortações. Ele examina de perto a sua vocação, testa a fé de modo que elas se tornem fortes. Não concorda com atitudes de vaidade e desejo de se aparecer quando capta graves atitudes de hipocrisia e superficialidade.

Ele sabe usar a ternura na fragilidade, a compreensão o apoio e o conforto. Através de suas atitudes emergem os traços básicos de uma vida espiritual centrada em Jesus Cristo, amado e imitado na humildade e pobreza de sua encarnação em Belém, na simplicidade da vida de trabalho em Nazaré, na imolação completa da cruz do Calvário, no silêncio da Eucaristia. Como Jesus disse: "Tudo o que você fez para um dos meus irmãos mais pequeninos, você fez a mim", é a eles que o padre Luís dedica a vida cotidiana com o compromisso concreto ao Reino de Deus e a sua justiça, na certeza de que tudo o resto será dado por acréscimo, de acordo com a promessa do evangelho. Todas as suas obras iniciadas durante sua vida refletem essa opção preferencial pelos pobres, para os últimos, os abandonados.

“Doze casas ele tinha profetizado de abrir antes de morrer", e assim aconteceu. Doze trabalhos em que as Irmãs da Providência se dedicam a jovens humildes, empreendedores e alegres à mercê de sua própria sorte, os doentes pobres e negligenciados, a idosos abandonados. No entanto, profundamente interessado em fazer o bem, o padre Luís não lida unicamente com suas obras, em que as irmãs trabalham com espírito generoso e dispostas a dar-lhes uma mão. Entusiasticamente oferece apoio espiritual e econômico também a iniciativas empreendidas em Udine por outras pessoas de boa vontade. Ele suporta todas as atividades da Igreja e tem um olhar de amor especial para os jovens seminaristas de Udine, especialmente os mais pobres. No segundo semestre de 1800, na Itália, as regiões se unificam. Esta unificação política e militar representam um período particularmente difícil para Udine e todo o Friuli, fronteira terrestre e local de fácil passagem entre a Europa setentrional e meridional, entre leste e oeste.

Uma das consequências desta unificação, que ocorreu em um clima anticlerical infelizmente, é o decreto de supressão da "Casa das abandonadas" e da Congregação dos Padres do Oratório de Udine. O padre Luís começa a lutar arduamente para salvar os trabalhos em favor da "pátria" mas não pode fazer nada para impedir a supressão da Congregação do Oratório. A triste situação política é portanto, capaz de destruir as estruturas materiais da Congregação do Oratório de Udine, no entanto, ela não pode impedir Padre Luís de manter-se sempre fiel discípulo São Filipe.  

Agora já idoso, com a sua abertura de costume, ele entende que é hora de entregar o leme e transfere para as irmãs com serenidade e esperança. No entanto, ele mantém o relacionamento com as irmãs por meio das cartas que ajuda a fortalecer os laços de afeto e amor e, na sua solicitude paterna, nunca se cansou de recomendar a vivência da fraternidade e da confiança. Através de sua profunda comunhão com Deus e com os longos anos de experiência, Padre Luís adquiriu sabedoria e discernimento espiritual que lhe permite ler nos corações, às vezes também prova conhecer as situações e fatos internos secretos conhecidos apenas pela pessoa em causa. No final de 1883, ele foi forçado a suspender todas as atividades, a sua força começou a declinar se, e é atormentado por uma febre alta constante. A doença progride implacavelmente. Ele recomendou às irmãs para não temer qualquer coisa, "porque é Deus que fez nascer e crescer a família religiosa e será Ele que fará progredir."     
Quando ele sente chegar ao fim, ele quer cumprimentar a todos. Em seguida, ele falou as suas últimas palavras às Irmãs: "Depois de minha morte, a Congregação terá muitos problemas, mas depois irá renascer para uma nova vida de caridade, a caridade é o espírito da vossa família religiosa: “Caridade! Caridade! Eis o espírito da vossa família religiosa: Salvar as almas e salvá-las com a caridade".

Na noite de quinta-feira 3 abril, 1884, ele tem o seu encontro final com Jesus. Todas as pessoas de Udine e de países vizinhos vão vê-lo pela uma última vez e pedir sua proteção do céu. Foi canonizado por João Paulo II em 10 junho de 2001.

Na memória do Martirológico Romano é 03 de abril. A Diocese de Udine e a Congregação fundada por ele celebra-o em 5 de outubro.


Classifique este item
(1 Vote)

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.

voltar ao topo